Skip to main content Accessibility help
×
Home

Labor and Dictatorship in Brazil: A Historiographical Review

  • Paulo Fontes (a1) and Larissa R. Corrêa (a1)

Abstract

This article analyzes recent Brazilian scholarship on workers and trade unions during the military dictatorship (1964–1985), emphasizing the relative absence of studies and the neglect of worker organization. By focusing on working-class agency and the dilemmas the labor movement faced due to the regime's economic policies and fierce repression, this essay offers a better understanding of the political scenario after 1964. The second part of the article examines the themes of the most recent studies about workers and the labor movement during the military regime, emphasizing existing blind spots and future challenges for scholarship.

  • View HTML
    • Send article to Kindle

      To send this article to your Kindle, first ensure no-reply@cambridge.org is added to your Approved Personal Document E-mail List under your Personal Document Settings on the Manage Your Content and Devices page of your Amazon account. Then enter the ‘name’ part of your Kindle email address below. Find out more about sending to your Kindle. Find out more about sending to your Kindle.

      Note you can select to send to either the @free.kindle.com or @kindle.com variations. ‘@free.kindle.com’ emails are free but can only be sent to your device when it is connected to wi-fi. ‘@kindle.com’ emails can be delivered even when you are not connected to wi-fi, but note that service fees apply.

      Find out more about the Kindle Personal Document Service.

      Labor and Dictatorship in Brazil: A Historiographical Review
      Available formats
      ×

      Send article to Dropbox

      To send this article to your Dropbox account, please select one or more formats and confirm that you agree to abide by our usage policies. If this is the first time you use this feature, you will be asked to authorise Cambridge Core to connect with your <service> account. Find out more about sending content to Dropbox.

      Labor and Dictatorship in Brazil: A Historiographical Review
      Available formats
      ×

      Send article to Google Drive

      To send this article to your Google Drive account, please select one or more formats and confirm that you agree to abide by our usage policies. If this is the first time you use this feature, you will be asked to authorise Cambridge Core to connect with your <service> account. Find out more about sending content to Google Drive.

      Labor and Dictatorship in Brazil: A Historiographical Review
      Available formats
      ×

Copyright

References

Hide All
Abramo, Laís. O resgate da dignidade: greve metalúrgica e subjetividade operária. Campinas/São Paulo: Editora da Unícamp/Imprensa Oficial do Estado, 1999.
Affonso, Almino. 1964 na visão do ministro do Trabalho de João Goulart. São Paulo: Imprensa Oficial/Fundap, 2014.
Almeida, Maria Hermínia Tavares de. “O Sindicalismo Brasileiro entre a conservação e a mudança” in Almeida, Maria Hermínia Tavares de e Sorj, Bernardo, eds. Sociedade e Política no Brasil pós-64. São Paulo: Brasiliense, 1983. pp. 279312.
Almeida, Maria Hermínia Tavares de and Martins, Carlos Estevam. Modus in rebus: partidos e classes na queda do Estado Novo. São Paulo: Cebrap, 1973. Mimeograph.
Alves, Maria Helena Moreira. Estado e oposição no Brasil (1964–1984), 3° edição. Petrópolis: Vozes, 1985.
Antunes, Ricardo. A rebeldia do trabalho (O confronto operário no ABC Paulista: as greves de 1978/80). São Paulo: Ensaio; Campinas: Editora da Unicamp, 1988.
Antunes, Ricardo and Ridenti, Marcelo. “Operários e estudantes contra a Ditadura: 1968 no Brasil,” Mediações 12 (2) 2007, 7889.
Araújo, Braz José. Operários em luta: Metalúrgicos da Baixada Santista (1933–1983). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1985.
Badaró, Marcelo. Novos e velhos sindicalismos. Rio de Janeiro (1955–1988). Rio de Janeiro: Vício de Leitura, 1998.
Batistoni, Maria Rosângela. Confronto operário. A Oposição Sindical Metalúrgica nas greves e nas comissões de fábrica de São Paulo (1978–1980). São Paulo: Núcleo Piratininga de Comunicação, 2010.
Blass, Leila. Estamos em greve!: imagens, gestos e palavras do movimento dos bancários. São Paulo: Hucitec, 1992.
Brant, Vinícius Caldeira (ed.), Paulínia: Petróleo e Política. Campinas: Sindicato dos Petroleiros de Campinas e Paulínia; São Paulo: CEBRAP, 1990.
Campos, Pedro Henrique Pedreira. Estranhas catedrais. As empreiteiras brasileiras e a Ditadura Civil-Militar. Rio de Janeiro: Editora da UFF/Faperj, 2014.
Carvalho, Yuri Rosa de. “O movimento operário e a Ditadura Civil-Militar: resistência, luta armada enegociação,” Revista Latino-Americana de História 1 (3) 2012, 338–66.
Chotil, Mazé Torquato. Trabalhadores Exilados: A saga de brasileiros forçados a partir (1964–1985). Curitiba: Editora Prismas, 2015.
Cordeiro, Janaína. A ditadura em tempos de milagre. Comemorações, orgulho e consentimento. Rio de Janeiro: FGV/Faperj, 2015.
Corrêa, Larissa Rosa. Disseram que voltei americanizado: relações sindicais Brasil e Estados Unidos na ditadura militar (1964–1978). Campinas: Editora da Unicamp, 2017.
Corrêa, Larissa Rosa. “Os ‘inimigos da pátria’: repressão e luta dos trabalhadores do Sindicato dos Químicos de São Paulo (1964–1979),” Revista Brasileira de História 34 (67) 2014, 1337.
Costa, Edmilson. A política salarial no Brasil (1964–1985): 21 anos de arrocho salarial e acumulação predatória. São Paulo: Boitempo, 1997.
Costa, Sérgio. Estado e Controle Social no Brasil. São Paulo: T. A. Queiroz Editor, 1986.
Couto, Ari Marcelo Macedo. Greve na Cobrasma: uma história de luta e resistência. São Paulo, Annablune, 2003.
Dabat, Christine Rufino and Rogers, Thomas D., “‘A Peculiarity of Labor in this Region.’ Workers’ Voices in the Labor Court Archive at the Federal University of Pernambuco,” Latin American Research Review 47 (2012): 163–68.
Erickson, Kenneth Paul. The Brazilian Corporative State and Working-Class Politics. Berkeley, CA: University of California Press, 1977.
De Faria, Hamilton J. B.. “A experiência operária nos anos de resistência: a Oposição Metalúrgica de São Paulo e a dinâmica do movimento operário (1964–1978)” M.A. thesis, São Paulo: Programa de Pós-Graduação em Ciências Sociais, PUC-SP, 1986.
Ferrante, Vera. FGTS: ideologia e repressão. São Paulo: Ática, 1978.
Frederico, Celso. Consciência operária no Brasil: Estudo com um grupo de trabalhadores. São Paulo: Editora Ática, 1978.
Frederico, Celso. A Vanguarda Operária. São Paulo: Símbolo, 1979.
Frederico, Celso. A imprensa de esquerda e o movimento operário (1964–1984). São Paulo: Expressão Popular, 2010.
French, John D. The Brazilian Workers' ABC: Class Conflict and Alliances in Modern Sao Paulo. Chapel Hill, NC: The University of North Carolina Press, 1992.
Fico, Carlos Fico. Como eles agiam. Os subterrâneos da ditadura militar: espionagem e polícia política. Rio de Janeiro: Record, 2001.
Figueiredo, Argelina Cheibub. “Intervenções sindicais e o ‘novo sindicalismo’,” Dados 17 1978: 136–45.
Galetti, Luiz Carlos. “As Comissões nas Fábricas e a Greve de Ocupação em Osasco – São Paulo, 1968” M.A. dissertation, Campinas: Unicamp, 1985.
Guimarães, Antonio Sérgio Alfredo. “A gestão do trabalho na indústria petroquímica (a forma geral e a variante paternalista),” Caderno CRH n. 12. Salvador: CRH, 1990, pp. 5570.
Green, James N. and Quinalha, Renan (orgs.), Ditadura e homossexualidades: repressão, resistência e a busca da verdade. São Carlos/SP: EdUFSCar, 2014.
Grossi, Yvone de Souza. Mina de Morro Velho: a extração do homem – Uma história de experiência operária. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1981.
Hall, Michael M. and Pinheiro, Paulo Sérgio (org.) A Classe Operária No Brasil, 1889–1930: Documentos. Volume 1: O Movimento Operário. São Paulo: Alfa-Ômega, 1979.
Hardman, Francisco Foot. Nem pátria, nem patrão: vida operária e cultura anarquista do Brasil. São Paulo: Brasiliense, 1983.
Humphrey, John. Capitalist Control and Workers' Struggle in the Brazilian Auto Industry. Princeton, NJ: Princeton University Press, 1982.
IIEP, Investigação Operária. Empresários, militares e pelegos contra os trabalhadores. São Paulo: IIEP, 2014.
Jesus, Paulo Sérgio. “A cidade de Osasco: a Juventude Operária Católica (JOC), a Ação Católica Operária (ACO), Juventude Universitária Católica (JUC) no movimento operário.” M.A. dissertation, São Paulo: PUC-SP, 2007.
Kushnir, Beatriz Kushnir. Cães de guarda. Jornalistas e censores, do AI-5 à constituição de 1988. São Paulo: Boitempo, 2004.
Lobo, Elisabeth Lobo. A classe operária tem dois sexos. Trabalho, dominação e resistência, 2a edition. São Paulo: Editora da Fundação Perseu Abramo, 2011.
Maran, Sheldon. Anarquistas, imigrantes e o movimento operário brasileiro (1890–1920). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1979.
Maroni, Amnéris. A estratégia da recusa: análise das greves de maio/78. São Paulo: Brasiliense, 1982.
Martinho, Francisco Carlos Palomanes. “O estatismo sindical e a transição democrática: Um estudo sobre o Sindicato dos metalúrgicos do Rio de Janeiro (1974–1985),” in Trabalho e tradição sindical no Rio de Janeiro: a trajetória dos metalúrgicos, eds. Ramalho, José Ricardo e Santana, Marco Aurélio. Rio de Janeiro: DP&A e FAPERJ, 2001.
Martins, Heloísa Souza. O Estado e a burocratização do sindicato no Brasil. São Paulo: Hucitec, 1979.
Maybury-Lewis, Biorn. The Politics of the Possible: The Brazilian Rural Workers' Trade Union Movement, 1965–1985. Philadelphia, PA: Temple University Press, 1994.
Mericle, Kenneth S.Corporatist Control of the Working Class: Authoritarian Brazil since 1964,” in Authoritarism and Corporativism in Latin America, ed. Malloy, James. Pittsburgh, PA: University of Pittsburgh Press, 1977.
Miranda, OrlandoSindicato e Classe Operária: História do Sindicato dos Metalúrgicos de Osasco.” Livre docência thesis, São Paulo: Universidade de São Paulo, 1987.
Moisés, José Álvaro. Greve de massa e crise política (estudo da Greve dos. 300 mil em São Paulo, 1953–54). São Paulo: Livraria Editora Polis, 1978.
Montenegro, Antonio. “Trabalhadores rurais e Justiça do Trabalho em tempos de regime civil-militar,” in A Justiça do Trabalho e sua história, orgs. Gomes, Angela de Castro e da Silva, Fernando Teixeira. Campinas: Editora da Unicamp, 2013.
Moura, Alessandro. “Movimento operário e sindicalismo em Osasco, São Paulo e ABC paulista: rupturas e continuidades.” PhD thesis, Universidade Estadual Paulista, 2015.
Nagasava, Heliene Chaves. “‘O sindicato que a ditadura queria’: o Ministério do Trabalho no governo Castelo Branco (1964–1967).” M.A. thesis, Rio de Janeiro: CPDOC/FGV, 2015.
Negro, Antonio Luigi. Linhas de Montagem. O industrialismo nacional-desenvolvimentista e a sindicalização dos trabalhadores. São Paulo: Boitempo/Fapesp, 2004.
Negro, Antonio Luigi. “Nas origens do ‘Novo Sindicalismo’: o maio de 59, 68 e 78 na indústria automobilística”, in O Novo Sindicalismo. Vinte anos depois, org. Rodrigues, Iram J.. Petrópolis: Vozes/ Educ/ Unitrabalho, 1999.
Neves, Magda de Almeida. Trabalho e cidadania: as trabalhadoras de Contagem. Petrópolis: Vozes, 1994.
Oliveira, Edgard Leite. “Conflito social, memória e experiência: as greves dos metalúrgicos de Contagem em 1968.” MA dissertation, Belo Horizonte: Universidade Federal de Minas Gerais, 2010.
Oliveira, Roberto Veras de and Ladosky, Mário Henrique, “O ‘novo sindicalismo’ pela ótica dos estudos do trabalho,” Revista Mundos do Trabalho 6 (11) 2014, 147–70.
Paranhos, Kátia. Era uma vez em São Bernardo: o discurso sindical dos metalúrgicos (1971–1982). Campinas: Editora da Unicamp, 1999.
Pécaut, Daniel. Os intelectuais e a política no Brasil (Entre o povo e a Nação). São Paulo: Ática, 1990.
Pessanha, Elina. “De operários navais a metalúrgicos: Experiência de classe e identidade política entre os trabalhadores da construção naval do Rio de Janeiro,” in O trabalhador carioca: estudos sobre trabalhadores urbanos do Estado do Rio de Janeiro, eds. Pessanha, Elina e Abreu, Alice. Rio de Janeiro: JC editores, 1995.
Pereira, Anthony Pereira. The End of the Peasantry: The Rural Labor Movement in Northeast Brazil, 1961–88. Pittsburgh: University of Pittsburgh Press, 1997.
Pereira, Neto and Leal, Murilo. Olavo Hanssen. São Paulo: Expressão Popular, 2013.
Pimenta, Edileuza and Teixeira, Edson, Virgílio Gomes da Silva: de retirante a guerrilheiro. São Paulo: Plena Editorial/Núcleo Memória, 2009.
Rainho, Luís and Bargas, Osvaldo. As lutas operárias e sindicais dos metalúrgicos em São Bernardo (1977–1979). v.1. São Bernardo do Campo: ABCMSBCD, 1983.
Ramalho, José Ricardo. Estado-Patrão e luta operária. O caso FNM. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1989.
Reis, Daniel Aarão et al. , Fatos e versões: o sequestro da história. São Paulo: Perseu Abramo, 1997.
Reis, Daniel Aarão et al. , A revolução faltou ao encontro. São Paulo: Brasiliense, 1990.
Reis, Daniel Aarão, Ridenti, Marcelo, and Sá Motta, Rodrigo Patto, A ditadura que mudou o Brasil. 50 anos do golpe de 1964. Rio de Janeiro: Zahar, 2014.
Ribeiro, Felipe Augusto dos Santos. “A foice, o martelo e outras ferramentas de ação política: os trabalhadores rurais e têxteis de Magé/RJ (1956–1973).” Ph.D. dissertation, Rio de Janeiro: CPDOC-FGV, 2015.
Ricci, Rudá. Terra de ninguém: representação sindical rural no Brasil. Campinas: Editora da Unicamp, 1999.
Ridenti, Marcelo. O fantasma da revolução brasileira. São Paulo: Editora da UNESP, 1993.
Rizek, Cibele Saliba. “Osasco: 1968, a Experiência de um Movimento.” M.A. dissertation, São Paulo Pontifícia Universidade Católica de São Paulo, 1988.
Rodrigues, José Albertino. Sindicato e desenvolvimento social no Brasil. São Paulo: Difel, 1968.
Rodrigues, Leôncio Martins. Conflito industrial e sindicalismo no Brasil. São Paulo: Difusão Europeia do Livro, 1966.
Rogers, Thomas D. The Deepest Wounds: A Labor and Environmental History of Sugar in Northeast Brazil. Chapel Hill, NC: University of North Carolina Press, 2010.
Rosa, Maria Inês. “A indústria brasileira na década de 60: as transformações nas relações de trabalho e a estabilidade.” M.A. dissertation, Campinas: Universidade Estadual de Campinas, 1982.
Rosa, Susel Oliveira da. Mulheres, ditaduras e memórias. São Paulo: Intermeios/ Fapesp, 2013.
Rovai, Marta. Osasco 1968: A greve no feminino e no masculino. Salvador: Editora Pontocom, 2013.
Sader, Eder. Quando novos personagens entraram em cena: experiências, falas e lutas dos trabalhadores da Grande São Paulo (1970–80). Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1988.
Santana, Marco Aurélio. Homens partidos: comunistas e sindicatos no Brasil. São Paulo: Boitempo Editorial/UFRJ, 2001.
Santos, Wanderley Guilherme dos. Cidadania e justiça. Rio de Janeiro: Campus, 1979.
Serbin, Kenneth P. Secret Dialogues: Church-State Relations, Torture, and Social Justice in Authoritarian Brazil. Pittsburgh, PA: University of Pittsburgh Press, 2000.
Silva, Roque Aparecido. “A Greve de 1968 em Osasco,” in Rebeldes e Contestadores – 1968, Brasil, França e Alemanha, eds. Garcia, Marco Aurélio e Vieira, Maria Alice. São Paulo, Editora Fundação Perseu Abramo, 2008.
Singer, Paul. A crise do “milagre”. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.
Troyano, Annez. Estado e sindicalismo. São Paulo: Símbolo, 1978.
Valeriano, Maya Damasceno. “O processo de precarização das relações de trabalho e a legislação trabalhista: o fim da estabilidade no emprego e o FGTS.” M.A. dissertation, Niterói: Universidade Federal Fluminense, 2008.
Ventura, Zuenir. 1968: o ano que não terminou, 3° edição. Rio de Janeiro: Objetiva, 2013.
Vianna, Luiz Werneck. Liberalismo e sindicato no Brasil. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1976.
Van Voss, Lee Hermma and van der Linden, Marcel. Class and other Identities: Gender, Religion and Ethnicity in the Writing of European Labour History. Oxford: Bergham Books, 2002.
Weffort, Francisco. Participação e conflito industrial: Contagem e Osasco, 1968. Estudos Cebrap, Caderno 5, 1972.
Weffort, Francisco. “Origens do sindicalismo populista no Brasil: a conjuntura do após-guerra,” Estudos Cebrap, São Paulo v.4 (1973): 65105.
Weffort, Francisco. Dejémonos de farsas intelectuais e resistência democrática… inutiles. São Paulo: Cebrap, 197-.
Weffort, Francisco. O populismo na política brasileira. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1978.
Weinstein, Barbara. “The Model Worker of the Paulista Industrialists: The ‘Operário Padrão’ Campaign. 1964–1985,” Radical History Review 61 (winter 1995), 93123.
Weinstein, Barbara. For Social Peace in Brazil: Industrialists and the Remaking of the Working Class in São Paulo, 1920–1964. Chapel Hill, NC: University of North Carolina Press, 1996.
Welch, Clifford Andrew. “Labor Internationalism: U.S. Involvement in Brazilian Unions, 1945–1965,” Latin American Research Review 30 (2) 1995, 6189.

Related content

Powered by UNSILO

Labor and Dictatorship in Brazil: A Historiographical Review

  • Paulo Fontes (a1) and Larissa R. Corrêa (a1)

Metrics

Full text views

Total number of HTML views: 0
Total number of PDF views: 0 *
Loading metrics...

Abstract views

Total abstract views: 0 *
Loading metrics...

* Views captured on Cambridge Core between <date>. This data will be updated every 24 hours.

Usage data cannot currently be displayed.